Odontologia Hospitalar tem a prerrogativa de salvar vidas

por | maio 8, 2018 | Artigos | 0 Comentários

A Odontologia é uma das profissões da saúde reconhecidas em nosso país e encarrega-se de tudo que é relacionado ao sistema estomatognático – órgãos e tecidos da cavidade bucal, crânio, face e pescoço.

A primeira prática documentada foi no Egito, há mais de cinco milênios, no entanto encontramos vários relatos interessantes, como o de Noah Gordon em “O Físico”, onde se pode ter uma noção da multiplicidade de funções que os barbeiros cirurgiões exerciam, desde o corte de cabelos e barba, aplicação de ventosas, sangrias, amputações até tratamentos dentários, num trabalho itinerante por cidades da Inglaterra, no Século XI, profissão esta que para época era comparada a de um ‘’médico de tudo um pouco’’.

No Museu do Cairo, na sala das múmias, é possível constatar que a “causa mortis” de muitas delas foi o abcesso dentário, destacando historicamente a importância dos cuidados com a saúde bucal. É fato que a boca não se dissocia do todo que representa o ser humano e assim ele deve ser compreendido e tratado, pela integração de sistemas e a complexidade da manutenção da homeostase dos mesmos.

Prevenção vem ganhando espaço e alcança a esfera legislativa

O ser humano necessita de cuidados médicos e odontológicos por toda a vida, uma vez que não se aceita mais a ideia de tratamentos apenas curativos – a prevenção, que se antecipa aos fatos minimiza as consequências de desajustes orgânicos e vem ganhando espaço cada vez maior no quesito promoção de saúde. Volto a dizer que a boca não se dissocia do todo e esta compreensão transcende o ambiente da ciência e alcançou a esfera legislativa. Prova disso são os Projetos de Lei mencionados a seguir: Projeto de Lei 2776 de 2008 de autoria do deputado Neilton Mulin, que torna obrigatória a presença do cirurgião-dentista na UTI; no município de São Paulo a Lei 16.860 de 9 de fevereiro de 2018 do vereador Gilberto Natalini, que institui a Política Municipal de Proteção à Saúde Bucal da Pessoa Hospitalizada; o PL 363/2011 que torna obrigatória a presença de cirurgiões-dentistas nas Unidades de Terapia Intensiva de autoria do deputado Willian Dib (SP), ora apensado ao PL 2776 B do deputado Neilton Mulin. Ainda, tramitou na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo o PL 363/2011 que torna obrigatória a presença de cirurgiões-dentistas nas Unidades de Terapia Intensiva de autoria do deputado Willian Dib, ora apensado ao PL 2776B do deputado Neilton Mulin.

Confúcio, Sec. V aC: “Boca é a porta de entrada de todas as doenças”

A Odontologia Hospitalar é uma realidade desde sempre, mas que vem ganhando espaços cada vez mais amplos, já que não é possível pensar em saúde geral sem levar em consideração a saúde bucal. O sábio chinês Confúcio, no Século V A.C., referia-se à boca como “a porta de entrada de quase todas as doenças”. Várias doenças têm origem em infecções buco-dentárias e as doenças sistêmicas têm manifestações clínicas na cavidade bucal, antes ou durante a sua sintomatologia.

Em pacientes hospitalizados, seja no leito ou na Unidade de Terapia Intensiva, o biofilme tem um papel de destaque na instalação de doenças secundárias à doença de base, podendo levar à sepse, quadro este que mata uma pessoa por segundo no mundo. Pode estar associada a qualquer foco infeccioso, inclusive o bucal, que funciona como porta de entrada de microrganismos, sendo a pneumonia responsável por 50% dos casos de sepse nos levantamentos epidemiológicos.

A cavidade oral é um local que abriga muitas populações microbianas e o biofilme de bactérias, vírus e fungos principalmente nos dentes, língua, e mucosa jugal, que podem ser disseminados para outras partes do corpo, além dos pulmões, cérebro, coração, articulações, entre outros.

Por esta razão, os cuidados com a higiene de pacientes internados é de suma importância para evitar graves complicações, além de promover bem- estar ao mesmo. A severidade da doença periodontal está relacionada a vários fatores, entre eles a patogenia da microbiota e a imunossupressão desses pacientes que se encontram em estado de vulnerabilidade imunológica.

Toda complicação oriunda de infecções tem implicação na sobrevida

Outra situação frequente encontrada nos hospitais é a de pacientes que tem repercussão bucal aos tratamentos utilizados para combater a doença de base, entre eles o mais conhecido a quimioterapia, que repercute como mucosite oral. Quadro bastante doloroso e muitas vezes impeditivo de alimentação, requer atuação imediata da equipe odontológica, para por meio da fotobiomodulação, remitir os sintomas muito dolorosos e que oferecem risco de infecções secundárias.

Toda e qualquer complicação oriunda de focos infecciosos bucais tem grande implicação na sobrevida, recuperação e desospitalização precoce do paciente. Um foco pode demandar um tempo maior de internação – no caso da pneumonia nososcomial de 7 a 14 dias, aumentando a necessidade da medicalização, exames complementares, interferindo na qualidade de vida, podendo até levar o paciente a óbito.

Odontologia Hospitalar inserida no SUS? Mais uma proposta

Por todo o exposto, um grande movimento das equipes de cirurgiões- dentistas que atuam em hospitais em todo Brasil teve início em 2011 e vem sendo realizado no sentido de corroborar para a prevenção e cura de doenças que são desencadeadas por focos infecciosos.

Esses profissionais foram protagonistas da luta que culminou com o reconhecimento da Habilitação em Odontologia Hospitalar pelo CFO, em 2015, com o intuito de preparar os cirurgiões-dentistas para atuação dentro dos hospitais.

Recentemente o Ministério da Saúde publicou a Portaria 1.023 de 23 de abril de 2018, que institui o Grupo de Trabalho de Odontologia Hospitalar com a finalidade de propor a elaboração de ações e estratégias sobre a matéria, além de avaliar e propor a revisão e criação de normas relativas à regulamentação da Odontologia Hospitalar, orientar a criação da linha de cuidado do paciente que necessita de atendimento hospitalar e as diretrizes para sua organização na Rede de Atenção à Saúde no âmbito do SUS. Além disso visa propor protocolos e diretrizes para a implementação da Odontologia Hospitalar e recomendar a incorporação, inclusão, exclusão e alteração de procedimentos odontológicos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses e Próteses e Materiais Especiais do SUS voltados aos pacientes que necessitem de atendimento em ambiente hospitalar no SUS.

Em 2011 também foi desenvolvido no Estado de São Paulo o Manual de Odontologia Hospitalar da Secretaria de Estado da Saúde, que muito colaborou para a implantação dos serviços de odontologia hospitalar nos hospitais da rede.

Profissionais de CTBMF: papel edificante nos hospitais do Brasil

Faço um destaque com louvor aos profissionais que atuam na área da Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciais, especialidade que tem como objetivo o diagnóstico e o tratamento cirúrgico e coadjuvante das doenças, traumatismos e anomalias congênitas e adquiridas do aparelho mastigatório e anexos, e estruturas craniofaciais associadas, que há muitas décadas também vem realizando um trabalho edificante nos hospitais de todo país.

A Odontologia Hospitalar visa ampliar a atenção e os cuidados odontológicos aos pacientes em ambiente hospitalar, seja na UTI, leito, ambulatório ou Home Care, prevenindo e tratando das doenças da cavidade bucal, diminuindo a quantidade de patógenos com potencial de desencadear infecções sistêmicas e que coloca em risco a vida desses pacientes.

Essa atenção corrobora com a valorização da nossa profissão, demonstra que a atuação do cirurgião-dentista tem a prerrogativa de salvar vidas e coloca a Odontologia e os cirurgiões dentistas no lugar de destaque que eles merecem.

 

Leia também da autora (clique no título)

SOS para a saúde bucal

———————————————

Inclusão da pessoa com necessidades especiais: 
VOCÊ TEM FEITO A SUA PARTE?

——————————————————————————-

Dia 7 de Abril

Saúde única e a prática interprofissional colaborativa: 
Mais motivos para 
celebrar o dia mundial da saúde!
———————————————————–

O impacto da microcefalia na saúde bucal

Maria Lucia Zarvos Varellis

Maria Lucia Zarvos Varellis

Especialista em Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais, doutoranda do Programa de Biofotônica da Universidade Nove de Julho, habilitada para o uso do Laser em Odontologia e habilitada em Odontologia Hospitalar.
Autora dos livros Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais – Manual Prático – 3a Edição, Guanabara Koogan, 2017 e  Odontologia Hospitalar, Quintessence Editora, 2018.

É articulista do Jornal Odonto.