De acordo com dados da Oral Cancer Foundation (OCF), a natureza destrutiva do tabaco já é conhecida há algum tempo. Mas muitos pensam que um cigarro de vez em quando não faz mal, ou que fumar não faz mal desde que se deixe de fumar quando se é jovem. Quanto – e por quanto tempo – é preciso fumar antes de causar danos irreversíveis à saúde? Vamos aos fatos relatados pela OCF.

Os efeitos negativos do fumo começam com a primeira inalação
No momento em que se fuma cigarro, há efeitos instantâneos – mesmo que seja pela primeira vez. O alcatrão no fumo do cigarro bate instantaneamente nos dentes e começa a danificar o esmalte. Também atinge as gengivas e começa a danificá-las, que escurecem com o tempo de uso.

O fumo então atinge a garganta, onde danifica o revestimento do esôfago. Com o tempo, isso pode levar ao câncer da garganta. Também danifica os cílios da traqueia, impedindo-os de limpar o alcatrão. O fumo, em seguida, vai para os pulmões, onde o alcatrão se acumula e permanece. O alcatrão prejudica o processo de limpeza natural dos pulmões, o que prejudica a capacidade de trabalho dos pulmões e os torna mais suscetíveis a infecções graves.


Ao inalar vai para a corrente sanguínea
Inalar fumo também significa inalar o monóxido de carbono, que é absorvido instantaneamente na corrente sanguínea. Pode surgir cansaço e ficar sem fôlego. Com o tempo, isso leva a doenças cardíacas, pois retira o oxigênio que deve viajar através das células substituindo-o por monóxido de carbono. A nicotina do cigarro também viaja para o cérebro, libertando a dopamina e causando uma sensação de bem-estar fazendo com que se deseje cada vez mais. É assim que começa a dependência ao tabaco.

Na adolescência, os efeitos duradouros do tabagismo
Em estudo de 2018, descobriu-se que os adolescentes que fumam e bebem álcool mostraram sinais de enrijecimento das artérias – algo que pode levar a sérios problemas cardíacos ao longo da vida. O organismo de quem fuma na adolescência começa a sofrer os efeitos do tabaco mesmo antes de passar para a idade adulta. Já fumar e beber na juventude leva à progressão da aterosclerose. Eventualmente, poderá vir a sofrer um ataque cardíaco, doença cardíaca e insuficiência cardíaca.

Antes dos 25 anos o fumo impede o desenvolvimento dos pulmões
Os pulmões se desenvolvem completamente por volta dos 25 anos. Quem começar a fumar na adolescência nunca terá a possibilidade dos pulmões alcançarem o tamanho normal por causa dos danos causados pelos cigarros. Mesmo que se pare de fumar os pulmões não se tornarão magicamente maiores. Se não fumar antes dos pulmões estarem completamente desenvolvidos, pode pelo menos reverter a maioria dos danos causados aos pulmões – mas isso também depende da idade que abandona o tabaco.

Pesquisas aponta que reduzir em 90% o risco de morte relacionada ao tabagismo, é preciso parar de fumar antes de completar 40 anos, porém quanto mais cedo melhor.

Fumar por menos de uma semana já inibe o desempenho pulmonar
Bastam apenas cinco a sete dias, desde que um cigarro enche seus pulmões com substâncias químicas perigosas, os pulmões não conseguem recuperar-se totalmente. Se continuar a fumar – digamos, algumas vezes por dia – os pulmões nunca terão a oportunidade de se livrarem do lamaçal que os preencheu. Afim de pouco tempo, esses produtos químicos permanecem nos pulmões causarão danos permanentes. Além disso, podem levar a vários tipos de câncer, a partir da boca.

Mas desistir ainda compensa, 6 horas depois
Embora os pulmões de um fumante nunca sejam tão saudáveis quanto os pulmões de um não fumante, os benefícios de parar de fumar são muito maiores do que continuar a fumar. O corpo tem a capacidade de se recuperar. Depois de ficar livre de fumo por apenas seis horas, os níveis de monóxido de carbono no corpo diminuem e o coração começa a funcionar mais normalmente. Depois de alguns meses, a função pulmonar pode melhorar em até 30%, e não deve cessar a tosse comum aos fumantes. Depois de nove meses, o coração está quase totalmente fora da zona de perigo (isso depende da idade). Com o tempo, o corpo reconstrói-se e cura os danos.

Fonte: Oral Cancer Foundation / Julia Mullaney
Artigo original
“How early do the effects of smoking start? Earlier than you think”